Quer usar o ChatGPT na sua escola em 2024? Baixe nosso guia exclusivo!
Baixe agora!
Blog da Árvore
Leitura
O papel da escola na formação de leitores

O papel da escola na formação de leitores

30 de abril de 2021
5 min
Post modificado em:
10/3/2023

A leitura é um direito dos alunos, sejam crianças ou jovens, assim como ter contato com textos literários e diferentes narrativas. Afinal, somos constituídos de imaginários, histórias, memórias e palavras. Nesse sentido, a formação de leitores é uma prática muito importante, visto que cada livro lido é um universo de novas histórias que se abre.

Ao longo desse material, você poderá acompanhar estratégias de leitura na escola e desafios, organizados por segmento escolar, para formar leitores críticos. Esperamos acolher inquietações de gestores pedagógicos e educadores e estimular a construção de novas práticas de leitura em suas escolas.

Boa leitura!

Qual é o papel da escola na formação de leitores?

No ambiente escolar, ofertar a leitura e criar espaços significativos para a prática da formação de leitores requer condições materiais e sociais específicas. Com isso, o gestor escolar e toda a equipe pedagógica devem garantir esse direito aos seus alunos.

Afinal, no mundo complexo em que vivemos, há diferentes suportes e contextos onde a formação de leitores pode acontecer. Sendo assim, para formar leitores comprometidos, professores e gestores precisam se apropriar dessa diversidade, criando estratégias eficientes na lida com os desafios pedagógicos que ela traz.

Cabe ao gestor escolar, então, o papel de criar condições para que a experiência da leitura na escola, e mesmo fora dela, seja democrática. Ou seja, permitir que alunos e professores participem dessa atividade com prazer e autonomia, originando uma comunidade de leitores.

Por isso, é hora de evitar pensamentos que já não respondem aos desafios do presente, assim como fugir de lugares comuns como “crianças e adolescentes não gostam de ler” ou “não há livros na casa dos alunos”.

Esses desafios de fato podem existir. Mas quando a formação de leitores acontece da melhor forma, eles podem ser facilmente superados.

Quero na Minha Escola
Preencha o formulário!

Leve a Árvore para sua escola!

Com inovação e leitura, você ajuda a preparar seus alunos para o futuro. Preencha o formulário no site e saiba mais!

Acesse agora!

Quais estratégias devemos utilizar na formação de leitores na Educação infantil?

O período entre 0 e 6 anos de idade, conhecido como a primeira infância, é decisivo para a formação da criança. É nesse momento em que se dá o contato inicial com a palavra, a imagem e a leitura.

As formas, as cores e os sons vão dando vida ao mundo, e ouvir histórias, no ambiente familiar ou na escola, estimula o desenvolvimento integral do leitor crítico.

Leia também: 5 dicas práticas de como incentivar a leitura infantil

Desafio 1: uma biblioteca para a criança

Nesse momento, a escola e a família compartilham o desafio de constituir uma biblioteca para a primeira infância, com textos de qualidade e riqueza visual. Desde o começo, é importante priorizar, na formação de novos leitores, narrativas e ambientes que contribuam para criar este hábito e que sejam capazes de ajudar a ampliar o universo da criança.

Para isso, é preciso fazer uma boa curadoria desses títulos com um olhar sensível, voltado para as necessidades da criança. Uma estratégia importante para essa fase é ler e reler histórias conhecidas, uma vez que os pequenos gostam muito das repetições.

No entanto, isso não impede a apresentação de novas histórias e narrativas ricas, diversas e inventivas.

Leia também: Livros digitais podem estimular a leitura?

Desafio 2: mediação da leitura

Além de construir uma biblioteca para as crianças e assegurar que elas tenham acesso a narrativas de qualidade literária, é fundamental contar com uma mediação de leitura que incentive sua curiosidade e sua participação. Assim, esse será um momento especial de afeto com a leitura e a formação de leitores.

Para que a mediação ocorra da melhor maneira possível, ofereça mais do que acesso aos livros: disponibilize educadores e recursos a fim de garantir uma mediação cativante e lúdica.

Além de valorizar os mediadores e suas histórias, é preciso aguçar a imaginação das crianças para que a leitura seja também uma experiência estética e conectada à vida de cada uma delas.

Leia também: A importância da contação de histórias para crianças

Desafio 3: professores na formação de leitores

Este desafio está relacionado ao anterior, já que também é essencial formar os mediadores da leitura, de forma que eles consigam criar momentos de envolvimento das crianças em nível cognitivo, afetivo e motor.

Esse especialista, então, deve saber encantar seus leitores, conectando a leitura a situações prazerosas para a criança, sem abrir mão da intencionalidade pedagógica. Enquanto estimula sua curiosidade com perguntas abertas, pode propor desafios que desenvolvam a autonomia e a confiança dos alunos.

Quais estratégias devemos utilizar na formação de leitores no Ensino Fundamental?

O Ensino Fundamental é um período crítico para que o prazer pela leitura seja consolidado, e é ideal que crianças e adolescentes não leiam apenas por obrigação.

Isso traz um grande desafio ao professor para propor textos e estilos diversos, dando ao aluno cada vez mais autonomia para que ele escolha suas leituras. Ao mesmo tempo, ele poderá ampliar seus horizontes de apreciação estética da literatura.

Desafio 4: romper o silêncio e quebrar o peso da “obrigatoriedade”

Valorizar a voz das crianças e dos adolescentes e respeitar suas escolhas de leitura são determinantes na formação de leitores mais comprometidos.

Por isso, inspirar o prazer de ler significa também considerar as afinidades e os gostos de cada estudante, rompendo com o peso da obrigatoriedade da leitura e das cobranças em torno da prática para que ela se torne um momento de alegria e curiosidade.

Leia também: Conceição Evaristo e Daniel Munduruku: dicas de leitura

Desafio 5: a internet é nossa aliada na formação de leitores

Hoje, a leitura aparece nos mais diferentes contextos e formatos na internet e, como a Base Nacional Comum Curricular recomenda, é essencial considerar os gêneros por ela instituídos nas práticas escolares.

Essa medida tem como objetivo aproximar cada vez mais a escola das experiências da sociedade e dos contextos comunicativos experimentados pelos alunos no cotidiano.

As redes sociais fazem parte das vidas de todos nós e são muito utilizadas pelos estudantes. Aproximar a sala de aula da linguagem da internet e usar seus recursos em projetos e diferentes situações de aprendizagem faz com que crianças e jovens vejam sentido e sintam-se mais engajados nessas vivências.

Além disso, levar a internet para dentro da escola facilita o letramento digital e permite que os educandos a utilizem de maneira criativa e crítica. Com isso, os alunos vão ler de forma consciente e eficiente os textos que por ela circulam, exercitando o olhar crítico e a responsabilidade social.

Ouça no Plantando Histórias: Redes sociais no incentivo à leitura

Desafio 6: famílias na escola

Contar com a participação da família na formação de leitores é um dos maiores desafios para educadores e gestores escolares, visto que é comum haver um distanciamento dos responsáveis a partir dos anos finais do ensino fundamental.

A escola precisa definir estratégias para trazer os tutores para perto da escola e fazer com que participem ativamente dos processos de formação de um leitor crítico. Atualmente, é possível contar com recursos tecnológicos como aplicativos e plataformas de comunicação para estreitar essa conexão.

Além disso, que tal pensar em projetos e cursos voltados aos responsáveis a fim de aproximá-los da escola e das descobertas leitoras dos alunos? Pequenas ações podem ajudar a superar esse desafio e até mesmo inspirar neles mesmos o gosto pela leitura.

Quais estratégias devemos utilizar na formação de leitores no Ensino Médio?

A adolescência é uma etapa de vida complexa, é quando o jovem mais precisa de apoio e acolhimento. Afinal, é uma fase de grande evolução pessoal, com questões profundas, dúvidas, anseios e emoções novas.

Além disso, os estudantes do Ensino Médio ainda têm muitas exigências no cotidiano escolar. Como podemos ajudá-los a cultivar os hábitos de leitura neste período?

Desafio 7: como falar com o jovem para incentivar a leitura

Para cativar leitores adolescentes, os livros e as histórias precisam se conectar ainda mais com as vidas e questões que eles estão vivendo. Então, cabe à escola o desafio de falar com os jovens sobre as questões que eles estão refletindo.

Essa comunicação deve ser realizada com respeito e proximidade, abrindo espaço para que os alunos exponham suas ideias. Além de ouvir o que eles têm a dizer, os adultos devem propor ações que tornem o seu cotidiano ainda melhor.

Exercitar o diálogo e valorizar as diferentes formas de ser e dizer é muito importante para a formação de leitores e para aproximar o adolescente da escola. Para isso, é possível realizar uma assembleia com os alunos e escutar o que eles têm a dizer. Em seguida, solicite que eles escolham livros para leitura e criem espaços de troca de ideias.

Lembre-se: é importante integrar a leitura a outras práticas criativas. A BNCC traz diversas sugestões de novas linguagens e atividades conectadas ao adolescente do século XXI. Esses são passos valiosos para aproximá-los ainda mais do universo da leitura.

Leia também: Escuta ativa: como aprender a desenvolver essa habilidade? 

Desafio 8: contato com a comunidade

Outro caminho importante para que a formação de leitores seja ainda mais significativa para o público jovem é criar conexões entre os projetos da escola e os da comunidade onde eles vivem, principalmente com a reforma do Novo Ensino Médio.

Esse pode ser um desafio importante para os educadores, já que criar contextos de troca e aprendizagem que ultrapassem os muros da escola e conectem o adolescente com o mundo não é tarefa fácil, especialmente diante das inúmeras demandas curriculares.

No entanto, construir ações cotidianas que realmente ampliem o escopo de atuação dos alunos e de suas experiências escolares para além da escola significa cultivar uma semente em cada aluno. Essa semente, então, deve ser regada com responsabilidade social e cidadania, transformando histórias e reverberando-as para o ambiente ao seu redor.

Desafio 9: preparar para uma profissão

Um dos grandes desafios para a prática da leitura para educadores e gestores do Ensino Médio é ajudar adolescentes a trilharem seus caminhos de formação profissional e a tomarem suas primeiras decisões quanto à carreira que pretendem seguir.

Essa etapa escolar costuma estar voltada à preparação para vestibulares e exames, e as demandas curriculares cotidianas podem colocar a leitura em um papel coadjuvante. No entanto, é preciso ter atenção para que as provas não sejam o foco exclusivo.

Isso é necessário porque a leitura desempenha um papel indispensável em muitos campos da vida, indo além das provas de admissão às universidades. Os livros ajudam a se posicionar no mundo, tornam os adolescentes mais competentes para dominar os códigos da língua e interpretar diferentes textos, algo imprescindível nos exames e nas situações profissionais.

Além disso, é preciso considerar a importância da formação de leitores para ajudar na idealização de projetos de vida de um(a) jovem, tanto do ponto de vista do sonho e da esperança como do repertório de mundo.

A leitura amplia o horizonte de expectativas, abrindo novas portas e janelas para se descobrir e imaginar mundos possíveis. Criar um projeto de vida demanda tempo, estudo e também, claro, vivências, criatividades, descobertas e sonhos. A leitura possibilita todos esses bons encontros!

Qual é a importância de criar conexões emocionais com a leitura?

A neurociência já comprovou que as conexões emocionais positivas são importantes para a aprendizagem. Nesse sentido, quando a leitura se conecta à, aos afetos e a situações prazerosas, as possibilidades para a formação de leitores são ainda maiores.

Para isso, é preciso romper o silêncio e deixar que as vozes dos estudantes apareçam e se conectem com as histórias lidas. Além disso, criar ambientes onde a leitura na escola esteja ligada a conexões positivas fará toda a diferença na formação de leitores.

Aproveite e assista: Como fazer seus alunos lerem mais

Esperamos que as reflexões sobre esses desafios ajudem na criação de práticas de formação de leitores e no fortalecimento do que vem dando certo na sua escola. Não se esqueça: leitura é transformação, e cada educador que a incentiva entre seus alunos é capaz também de transformar histórias.

Para se dedicar ainda mais à compreensão desse assunto, saiba como acompanhar o desenvolvimento dos seus alunos por meio do diagnóstico de leitura. Você vai entender como pode aprimorar a fluência leitora do corpo discente para ter um processo de aprendizagem ainda mais efetivo.

Baixe o Guia Definitivo da Gestão Escolar!

Tenha acesso a dicas, materiais e conteúdos práticos para tornar o dia a dia da gestão escolar mais simplificado. É gratuito!

Preencha o formulário ao lado e receba o material no seu e-mail.

Formulário enviado com sucesso!
Erro! Por favor, tente novamente.
Quero na Minha Escola

Preencha o formulário!

Leve a Árvore para sua escola!

Com inovação e leitura, você ajuda a preparar seus alunos para o futuro. Preencha o formulário no site e saiba mais!

Você pode gostar também

Leitura

Quadrinhos combinam com literatura na escola?

No artigo de hoje debateremos se quadrinhos combinam ou não com literatura na escola. Confira!

Continuar
Leitura

Como o cinema pode influenciar o hábito da leitura

Descubra como o cinema pode influenciar o hábito da leitura com cinco livros infanto-juvenis que se tornaram filmes clássicos.

Continuar