Checklist da escola segura: como a gestão promove saúde mental
Baixe agora!
Blog da Árvore
Educação
Tempo de tela por idade: confira indicações

Tempo de tela por idade: confira indicações

21 out 2022
5 min
Post modificado em:
21/10/2022

O tempo de tela por idade é uma pauta importante para famílias e escolas. Nesse texto, falaremos sobre as recomendações, os riscos e como minimizá-los, e quais benefícios responsáveis e educadores podem encontrar no uso saudável das telas. Vamos lá?

Um mundo em transformação

Os dispositivos digitais estão cada vez mais presentes no nosso cotidiano. É raro passarmos um dia sem compartilhar ou conversar com pessoas queridas através do nosso smartphone.

Assistir a filmes ou séries na televisão em nosso tempo de descanso. Olhar para uma tela por horas a fio. Afinal, o computador já é a principal ferramenta de trabalho de uma grande parcela da população.

Nesse mundo em transformação, as crianças e adolescentes de nossa época – os chamados “nativos digitais” – também têm amplo acesso às telas: jogos, redes sociais, streamings de vídeo e demais plataformas digitais de entretenimento ou de aprendizado.

Com a pandemia da Covid-19, a exposição às telas aumentou de forma considerável para todos nós. E a escola não ficou de fora dessa! A sala de aula foi para dentro de casa através da tela do celular, do tablet e do computador. Plataformas digitais de aprendizagem se tornaram parte do cotidiano de muitas crianças e adolescentes.

Como consequência desse cenário, o limite do tempo de tela por idade é uma preocupação cada vez mais latente para as famílias, educadores e gestores escolares. E com razão: estudos mostram que o tempo excessivo de tela, especialmente na primeira infância, pode prejudicar o desenvolvimento infantil.

No entanto, existem muitas maneiras de minimizar esses riscos e utilizar as telas de forma saudável e benéfica para todas as idades. A seguir, vamos falar sobre os riscos e benefícios do universo digital e as recomendações atualizadas de tempo de tela por idade. Confira:

Quais são os riscos de um tempo de tela excessivo?

Um artigo elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria afirma que ações de alfabetização midiática são necessárias para ensinar pais, famílias e escolas a respeito do uso ético e seguro da internet.

O uso excessivo das telas é uma preocupação para médicos e pediatras, e pode afetar a saúde física e mental das crianças e adolescentes, gerando ou acentuando problemas como:

  • Piora da visão e da postura, sedentarismo, irritabilidade, sobrepeso, insônia, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH): o tempo de tela passivo por horas a fio e a falta de exercícios físicos são algumas das principais causas desses problemas.
  • Ansiedade, depressão, questões com a autoestima, transtornos de alimentação e de imagem corporal: a exposição excessiva a conteúdos de influenciadores digitais e ideais de vida inalcançáveis podem levar ao desenvolvimento desses tipos de transtornos.
  • Dependência digital, dificuldades de socialização, bullying e cyberbullying, entre outros: a falta de interação e convívio social e a dependência do entretenimento das redes agravam essas condições.

É necessário proibir o contato com as telas?

Tantos riscos certamente assustam responsáveis e educadores, mas é importante lembrar que tais prejuízos se apresentam atrelados ao uso indiscriminado e exagerado das telas.

Com a devida mediação e intencionalidade, o uso de dispositivos digitais pode ter benefícios para o desenvolvimento e aprendizado de crianças e jovens.

Segundo o "Guia de atividade física, comportamento sedentário e sono para crianças menores de cinco anos", da Organização Mundial de Saúde (OMS), o envolvimento na leitura e na contação de histórias com um cuidador é incentivado durante o tempo de tela de crianças maiores de 2 anos.

O compartilhamento de uma boa história é um ótimo caminho para o fortalecimento do vínculo afetivo entre as crianças e seus responsáveis.

A Academia Americana de Pediatria (AAP) também reconhece que interações equilibradas com mídias e plataformas digitais têm diversos benefícios para crianças e adolescentes entre 5 e 18 anos de idade: o estreitamento de laços com parentes e amigos distantes, o acesso a novas ideias e informações, a promoção do engajamento comunitário e de atividades colaborativas entre estudantes.

A própria Base Nacional Comum Curricular traz em seu texto a necessidade do letramento digital para o desenvolvimento integral do cidadão.

Hoje, o mercado de trabalho exige competências relacionadas ao uso das tecnologias digitais da informação e comunicação, e o próprio discernimento e atuação do sujeito em sua comunidade depende de uma interação ética com as mídias digitais.

Portanto, não é necessário proibir o acesso às telas, mas garantir um uso responsável, sempre com a mediação de um adulto de confiança.

Leia também: Telas para aprender e se divertir

Quais são as recomendações atuais de tempo de tela por idade?

Por ser uma pauta relativamente recente, ainda não há um consenso da ciência sobre o tempo de tela recomendado por idade. Mas as instituições de saúde concordam: é imprescindível observar, equilibrar e evitar excessos, especialmente quando falamos da primeira infância.

A seguir trazemos as recomendações de duas importantes instituições que estabeleceram diretrizes de tempo de tela por idade:

1 - Organização Mundial de Saúde (OMS):

  • Bebês de 0 até 2 anos: o tempo de tela não é recomendado.
  • Crianças de 2 a 4 anos: o tempo de tela sedentário não deve ser superior a uma hora por dia.

2 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP):

  • Bebês de 0 até 2 anos: evitar a exposição às telas, mesmo que passivamente;
  • Crianças de 2 a 5 anos: limitar o tempo de telas ao máximo de uma hora por dia, sempre com supervisão de um adulto;
  • Crianças de 6 a 10 anos: limitar o tempo de telas ao máximo de uma ou duas horas por dia, sempre com supervisão de um adulto;
  • Jovens de 11 a 18 anos: limitar o tempo de telas e jogos de videogames a duas ou três horas por dia, sempre com supervisão. Nunca “virar a noite” jogando;

Como garantir que o uso das telas seja mais saudável?

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) complementa as suas orientações com recomendações para todas as idades: nada de telas durante as refeições e desconectar uma ou duas horas antes de dormir.

Responsáveis e educadores devem oferecer atividades alternativas, como exercícios e brincadeiras ao ar livre e em contato com a natureza, sempre com supervisão, claro! Momentos de desconexão e convivência familiar também são imprescindíveis.

Além da atenção ao tempo de tela por idade, a preocupação com o conteúdo consumido é igualmente fundamental. Senhas e filtros apropriados para a família são uma boa pedida, assim como conversar com a criança sobre as regras de uso.

Um acordo deve ser feito em diálogo com a criança, ela precisa entender as razões pelas quais o limite está sendo estabelecido.

Seguindo as diretrizes de instituições confiáveis e especialistas, o uso das telas traz benefícios. Segundo o Nexo Jornal, um estudo realizado no Brasil, no ano de 2020, demonstrou que o tempo de tela de alta qualidade (devidamente mediado pelos pais) foi associado a melhores resultados no desenvolvimento infantil.

Além disso, uma pesquisa australiana, realizada com crianças de 10 e 11 anos, apontou que o tempo de tela passivo (como a televisão) traz menos benefícios do que o tempo de tela ativo (como jogos e leituras).

Isso porque interações e atividades colocam mais áreas do cérebro para trabalhar, o que resulta em processos cognitivos mais intensos.

Material gratuito

Trilhas de leituras prontas para sua escola!

Tenha em mãos um material exclusivo elaborado por nosso time pedagógico que vai ajudar no trabalho com a leitura na sua escola.

Baixe agora!

Como otimizar o tempo de tela por idade?

Como observamos até aqui, a mediação de um adulto é o fator determinante para o uso saudável das telas. A seguir, daremos algumas dicas de atividades, ferramentas e boas práticas para otimizar o tempo de tela por idade, em casa e na escola.

De 2 a 5 anos:

Em casa, engajar a criança em uma história através de uma leitura compartilhada é uma ótima prática para as famílias.

Para este momento, vale explorar diferentes livros digitais e investigar a narrativa e as ilustrações em parceria com a criança. Em seguida, que tal uma atividade fora das telas? Incentive brincadeiras inspiradas na temática da história!

Na escola, educadores e educadoras podem realizar momentos de contação de histórias. Com o apoio de um projetor ou televisão, o livro pode ser compartilhado com toda a turma.

Educador, não esqueça de treinar bem as entonações postas na narrativa, dê atenção aos diferentes ritmos, tons de voz e pausas. Isso irá tornar a experiência divertida e dinâmica para os pequenos.

De 6 a 10 anos:

As crianças têm muitas perguntas sobre o mundo e a curiosidade é algo importante de incentivar e cultivar. Quando alguma dúvida ou curiosidade surgir durante uma interação, uma pesquisa rápida no google pode expandir os horizontes da criança!

Por exemplo: durante um momento de leitura compartilhada, pode aparecer no texto uma palavra nova ou um animal ou objeto desconhecido. Que tal procurar o significado da palavra em um dicionário online? Ou buscar por fotografias da espécie desconhecida no google imagens?

O uso de softwares educacionais em sala de aula pode ajudar no processo de ensino-aprendizagem de seu estudante. Que tal elaborar um quiz online após a realização de uma leitura? Ou, quem sabe, propor a criação de uma ilustração digital a partir de uma cena da história?

De 11 a 17 anos:

Uma sessão de cinema em casa pode ser uma ótima forma de compartilhar novas descobertas! A cada semana, um membro da família pode selecionar um filme para todo mundo assistir junto.

Em seguida, vale uma troca sobre a história. Qual foi a cena favorita de cada um? Quantas estrelas o filme merece e por que? Garantir momentos de reflexão após uma experiência de fruição artística incentiva o pensamento crítico e desenvolve o gosto pessoal do jovem.

Educador, a educação midiática é uma urgência do nosso tempo e a escola tem um papel fundamental nesse processo! Decodificar e analisar informações que circulam online são habilidades indispensáveis na formação de cidadãos críticos e autônomos.

Para esta faixa etária, oficinas de identificação de fake news ou a elaboração de um jornal digital da turma são ótimas atividades! Não deixe de mediar a pesquisa online de seus estudantes, orientando-os na identificação de páginas confiáveis e de jornalismo responsável.


São muitos os caminhos para otimizar o tempo de tela por idade. Para finalizar o nosso texto de hoje, não podemos deixar de reforçar: os livros digitais são grandes aliados dos livros impressos na jornada de formar leitores e leitoras.

Com o livro digital, o acesso à leitura é democratizado e encontramos novas formas de inserir a leitura no cotidiano da nova geração de nativos digitais.

Não deixe de conferir o nosso papo com Cléo Busatto sobre a mediação da leitura literária por meio das plataformas digitais. Esperamos que você tenha gostado das nossas dicas e que elas te ajudem na mediação do uso das telas em casa e na escola. Até a próxima!

Baixe o Guia Definitivo da Gestão Escolar!

Tenha acesso a dicas, materiais e conteúdos práticos para tornar o dia a dia da gestão escolar mais simplificado. É gratuito!

Preencha o formulário ao lado e receba o material no seu e-mail.

Formulário enviado com sucesso!
Erro! Por favor, tente novamente.
Trilha de Leituras

Material gratuito

Trilhas de leitura prontas para sua escola!

Tenha em mãos um material exclusivo elaborado por nosso time pedagógico que vai ajudar no trabalho com a leitura na sua escola.

Você pode gostar também

Educação

Gamificação na educação: como usar para engajar seus alunos?

Como aproveitar a gamificação na educação? Entenda o que é esse artifício, conheça seus benefícios e saiba como usar uma plataforma de gamificação a seu favor.

Continuar
Educação

Qual a importância dos jogos na educação e como usar?

Você sabe por que é importante usar jogos na educação? Quer conferir como essa prática pode potencializar o ensino? Confira agora nosso post!

Continuar