Quer usar o ChatGPT na sua escola em 2024? Baixe nosso guia exclusivo!
Baixe agora!
Blog da Árvore
Gestão Escolar
Como trabalhar a saúde mental na escola: 7 dicas práticas

Como trabalhar a saúde mental na escola: 7 dicas práticas

18 de agosto de 2021
5 minutos
Post modificado em:
24/10/2022

Em um contexto pandêmico, questões relacionadas à saúde mental na escola se tornam urgentes. Afinal, toda a comunidade escolar se viu obrigada a se adaptar ao distanciamento social e às novas demandas do modelo remoto e híbrido.

A falta de contato físico entre os colegas, o grande volume de trabalho e o medo fizeram com que essa reflexão ganhasse protagonismo. Pensando na importância do assunto, destacamos algumas dicas de como trabalhar a saúde mental na escola de modo inclusivo e horizontal.

O que significa saúde mental na escola?

Para a OMS, saúde mental vai além da ausência de doenças mentais. O conceito consiste no bem-estar físico, psíquico e social de uma pessoa para que ela se sinta capaz de exercer suas atividades por meio de suas próprias habilidades.

Dessa forma, ela pode se recuperar do estresse do dia a dia, manter sua produtividade e, ainda, contribuir para o desenvolvimento de sua comunidade de forma produtiva. Nesse sentido, a educação é uma chave muito importante para a sua promoção.

O gestor escolar, por sua vez, precisa estar atento para que a instituição e seus componentes compreendam que o ensino não consiste apenas nas habilidades cognitivas e de conteúdos. A educação abrange competências socioemocionais como empatia, responsabilidade, respeito ao próximo e compreensão das diferenças.

Qual o papel da escola na promoção da saúde mental?

O ambiente escolar, por mais pacífico e democrático que seja, pode configurar um ambiente considerado hostil, principalmente devido a pressão por obter notas altas, casos de bullying, problemas relacionados a pais, responsáveis e à autoaceitação.

Nesse sentido, é dever da escola, conforme seu Projeto Político Pedagógico, colaborar para a formação de cidadãos capazes de lidar com os desafios comuns à vida.

Por isso, o papel da escola na promoção da saúde mental inclui tornar-se um ambiente seguro para falar sobre o assunto, sem recorrer a clichês ou transformá-lo em tabu.

Como trabalhar a saúde mental na escola?

Considerando o que é a saúde mental na escola e a relevância dessas competências, destacamos algumas ações para promover a saúde mental nesse ambiente e na sociedade. Confira:

1 – Incentive a autoestima

Valorizar as características singulares dos seus alunos e alunas faz parte da promoção da autoestima. Este aspecto é essencial para que os estudantes se vejam capazes de aprender e interagir não só no universo escolar, mas também fora dele.

Mais especificamente, quando se trata de estudantes pertencentes a etnias não brancas, a construção de uma autoestima positiva pode ser feita por meio da Lei 10.639. Ela estabelece o ensino de história e cultura afro-brasileira nas escolas, o que pode ser um caminho muito rico e eficiente.

Ouça no Plantando Histórias: Empoderamento social por meio da leitura

2 – Seja empática(o)

As questões de saúde mental são sérias e sensíveis, devendo ser tratadas como tal. Por isso, não diminua o desconforto do seu aluno, da sua aluna ou do seu docente.

Atente-se: além de contribuir para a importância da saúde mental na escola, a empatia deve ser basilar no enfrentamento e em toda tomada de decisão.

3 – Acolha os professores

Como visto anteriormente, a empatia deve se estender aos professores, uma vez que eles também precisam se sentir seguros para conversar.

Nesse sentido, a criação de um espaço aberto de diálogo entre os professores e a coordenação é essencial. Afinal, uma escola que conhece e entende as dificuldades dos seus docentes consegue promover muito mais efetivamente ações interdisciplinares e coletivas de enfrentamento às adversidades.

4 – Atue preventivamente

Não falar do problema não o fará desaparecer! É necessário, então, dialogar e propor atividades, palestras e oficinas que tratem das temáticas de saúde mental. Além disso, o acesso à informação é essencial para os estudantes.

Sendo assim, é imprescindível alinhar ações e atividades que façam com que os discentes sejam incentivados a colocar em palavras suas emoções e angústias a partir de rodas de conversa, trocas e outros canais de comunicação.

Ah, a interação escola-família também é fundamental. Inclua-os nas conversas e palestras que englobam a temática, incentivando-os a tratar a saúde mental com a seriedade necessária.

5 – Treine sua equipe

Professores e coordenadores mantêm contato direto e diário com os alunos. Muitas vezes, eles são os primeiros a notar qualquer problema enfrentado pelo corpo docente. Por isso, é importante promover cursos e palestras com especialistas a fim de treinar a equipe.

Uma vez que eles compreendam a complexidade dos problemas de saúde mental na escola, poderão estar ainda mais atentos a pequenos sinais, propondo encaminhamentos a especialistas e ajudando na obtenção de diagnósticos.

A ação do professor é fundamental para a identificação precoce. Mas, para isso, precisam compreender bem os principais sinais e atitudes relacionadas ao adoecimento mental.  

6 – Valorize a leitura

As habilidades socioemocionais podem e devem ser trabalhadas dentro dos conteúdos de modo interdisciplinar, e todas as disciplinas têm responsabilidade nessa construção.

Portanto, a leitura é uma das formas para se desenvolver essas habilidades, principalmente por ser uma prática com alto potencial de desenvolvimento, identificação e conhecimento de mundo.

Ouça no Plantando Histórias: Como a leitura aproxima pessoas

7 – Aborde temas que se relacionem à saúde mental

Além dos livros, filmes, obras de arte e movimentos sociais também são formas de falar sobre o assunto. A campanha nacional “Setembro Amarelo” pode ser abordada em sala de aula e no ambiente escolar como um todo, de forma a promover a conscientização de alunos, professores e demais funcionários.

Esse tipo de discussão pode incluir o relato de profissionais da área, que podem falar sobre problemas emocionais, suicídio, depressão e outros assuntos relacionados. Também é interessante propor que os alunos façam seus próprios questionamentos.

Por fim, como vimos, saúde mental também é sobre diálogo e respeito à diversidade. Não deixe de ampliar e aprofundar os canais de comunicação, e principalmente, respeitar as limitações e as emoções da comunidade escolar.

E lembre-se: a instituição de ensino precisa ser um ambiente seguro para todos. Entenda como a escola pode contribuir na promoção e na proteção da saúde mental de seus estudantes e professores.

No items found.

Baixe o Guia Definitivo da Gestão Escolar!

Tenha acesso a dicas, materiais e conteúdos práticos para tornar o dia a dia da gestão escolar mais simplificado. É gratuito!

Preencha o formulário ao lado e receba o material no seu e-mail.

Formulário enviado com sucesso!
Erro! Por favor, tente novamente.

Você pode gostar também

Gestão Escolar

8 fatores que os responsáveis esperam da escola

O que os responsáveis esperam da escola? Confira a resposta neste post exclusivo!

Continuar
Gestão Escolar

A comunicação com os pais interfere no desempenho escolar?

Afinal, a comunicação com os pais interfere no desempenho escolar? Neste artigo damos algumas sugestões práticas de estreitar o vínculo familiar.

Continuar