Checklist da escola segura: como a gestão promove saúde mental
Baixe agora!
Blog da Árvore
Gestão Escolar
Gestão escolar e educação antirracista: descubra relação

Gestão escolar e educação antirracista: descubra relação

14 dez 2022
5 min
Post modificado em:
14/12/2022

Em 2023, a lei 10.639 completa 20 anos. Quais pontos devemos considerar para implementar a legislação e promover uma educação antirracista na escola? Confira:

Os 20 anos da lei 10.639: por uma educação antirracista

No dia 9 de janeiro de 2003 foi sancionada a lei nº 10.639. Fruto da luta do movimento negro, a lei visa o enfrentamento do racismo estrutural em nosso país. Além da promoção da equidade racial na escola.

As legislações antirracistas e as políticas públicas de combate ao racismo são fundamentais para pensar os contextos educacionais.

A lei nº 10.639 veio para alterar artigos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, nº 9.394/1996). Ela passa a vigorar estabelecendo os seguintes pontos:

  • Nas instituições de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira;
  • O conteúdo programático deverá incluir o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional. Resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil;
  • Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar. Em especial nas áreas de Educação Artística e de Literatura e História Brasileiras;
  • O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra.

Junto com a lei nº 11.645/08, a regulamentação 10.639/03 sanciona a mais urgente diretriz: a promoção de uma educação antirracista.

O que é uma educação antirracista?

Janine Rodrigues, diretora geral da Piraporiando, definiu educação antirracista como novos caminhos para que os sujeitos em formação possam compreender a história do povo negro. Tudo isso se desvinculando de narrativas eurocentradas.

Uma educação antirracista, portanto, engloba questões culturais, políticas e sociais. O que envolve desde a perspectiva pessoal de cada indivíduo até a construção de uma agenda coletiva de combate ao racismo estrutural.

Educar de forma antirracista é dar as ferramentas necessárias para que sujeitos em formação possam compreender a dimensão do racismo em nossa sociedade. Além de se responsabilizem frente à seu combate.

Uma educação antirracista deve promover e difundir o legado dos povos negros e indígenas em nossa cultura. Valorizar as contribuições dos povos negros e indígenas é gerar uma cultura positiva em torno da diversidade racial.

Educar de forma antirracista significa fomentar a diversidade não apenas no âmbito de eventos, projetos pontuais ou datas comemorativas. É preciso também nas escolhas do dia a dia: desde os livros lidos em sala de aula até a composição do quadro de professores e colaboradores de uma instituição de ensino.

A educação antirracista no Brasil: como estamos caminhando?

Uma pesquisa conduzida pela Nova Escola revela os desafios dos educadores na promoção de uma educação antirracista.

De acordo com o levantamento de 2022, 85% dos educadores sabem da existência da lei 10.639/03. Mas 60% não sabem ou afirmam que não existe investimento para levar o tema na prática.

O levantamento também mostra que apenas 2 em cada 10 profissionais da educação citam referências de autores negros usados em sala de aula. 6 em cada 10 educadores não têm nenhuma referência da pedagogia africana ou afro-brasileira em sua prática escolar.

Priscila da Silva, doutora em Educação pela USP, aponta que escolas ainda reproduzem uma cultura racista.

Estudos mostram as diferentes estratégias pelas quais o racismo se reproduz dentro do ambiente escolar. Elas vão desde o material didático selecionado até o silenciamento de vítimas de violência racial.

Mesmo assim, a pesquisadora afirma que a legislação antirracista pode ser o ponto de partida para uma mudança nas teorias da educação.

A autora também mostra que a fiscalização tem cabido à sociedade civil organizada e instituições comprometidas. A partir de outros estudos, ela destaca que:

"Ações como o mapeamento de práticas educacionais e incentivo à produção científica têm sido estímulos fundamentais para não permitir que a política pública perca sua força. Na esfera acadêmica, o acompanhamento demonstra que, em muitos casos, a legislação tem se efetivado pela persistência de indivíduos comprometidos pessoalmente com a temática.”

Inscreva-se na news da Árvore

Receba notícias de educação no seu e-mail!

Uma curadoria exclusiva que traz tudo o que os gestores escolares precisam acompanhar para se manterem atualizados.

Inscreva-se já!

Por uma gestão escolar comprometida com o antirracismo

Gestores, coordenadores e educadores de uma comunidade escolar devem tratar a implementação das leis 10.639/03 e 11.645/08 com muita seriedade.

Nesta seção do texto, iremos falar sobre 3 pontos fundamentais para a gestão considerar ao se comprometer com a promoção de uma educação antirracista em sua escola.

1 - O letramento racial da equipe docente

Em seu livro “Racismo Estrutural”, Silvio Almeida aponta que o racismo não é um problema individual ou um caso isolado. Ele é estrutural

Podemos entender que o racismo cotidiano das relações interpessoais e da dinâmica das instituições são manifestações de um processo histórico profundamente enraizado na sociedade.

O primeiro passo para uma gestão comprometida com uma educação antirracista é o reconhecimento do problema. Para isso, é indispensável compreender o caráter estrutural do racismo, levando em conta os seus vestígios em nossos próprios percursos formativos.

Você se recorda quantos autores e autoras negras você leu durante o seu percurso acadêmico ou escolar? E os professores e professoras que você teve ao longo da vida? Quantos deles (as) eram negros (as) ou indígenas?

Práticas de educação antirracista passam por recontar as histórias e narrativas que aprendemos. Portanto, descolonizar o pensamento, atualizar as nossas próprias referências e desvendar novos saberes é indispensável.

Ao desenvolvermos práticas pedagógicas antirracistas na escola, é de suma importância também formar continuamente a equipe de gestão e de docentes.

Nesse sentido, estruturar uma formação de professores em torno do letramento racial é um passo incontornável!

Além de abrir espaço na carga horária, a gestão deve garantir que os aprendizados sejam incorporados pela escola. Assim, é preciso incentivar que educadores e educadoras troquem constantemente.

Construir pontes de diálogo com o movimento negro e com as universidades locais é também criar oportunidades para a pesquisa docente no tema. Esse movimento deve ser constantemente encorajado.

2 - Atenção para a representatividade

Silvio Almeida argumenta que a representatividade tem efeitos importantes no combate à discriminação, ainda que não a extingua completamente.

Ele mostra que a representatividade propicia a abertura de um espaço político para que as reivindicações das minorias possam ser repercutidas. Além de desmantelar narrativas que sempre colocam as minorias em locais de subalternidade.

O escritor Stefano Volp, em nosso congresso virtual "Conversas que transformam", trouxe uma fala sensível sobre a sua vivência enquanto homem negro.

Desde jovem, Stefano sabia que queria trabalhar com a palavra e com a escrita. Mas diz que foi carente de referências: ele não conhecia nenhum escritor negro.

Por isso, apontou a importância que tem a representatividade no imaginário de crianças e adolescentes:

"Hoje, a gente tem que pensar em trazer referências para essas crianças. Alguém que eles possam olhar e pensar: eu poderia ser essa pessoa, no futuro. Então, é mais do que ouvir de um educador que existe um caminho. É ver pessoas pretas ocupando o lugar de liderança, ocupando o lugar de tomada de decisão, aparecendo enquanto referências..."

A gestão escolar deve ter o compromisso de refletir acerca da diversidade em sua comunidade escolar. A diversidade racial é tratada com qual ou quais perspectivas? O que pode ser feito de diferente para ampliar a representatividade no dia a dia da escola?

Investir para aumentar a diversidade no seu quadro de professores é importante. Assim como se questionar se existe representatividade entre os palestrantes, formadores e demais colaboradores que participam dos projetos e ações escolares.

A representatividade e a diversidade no cotidiano de uma escola é fundamental. Ela deve estar explícita nos espaços da escola, entre o corpo docente, na adoção do material didático, nos livros da biblioteca e nos conteúdos do currículo escolar.

3 - Olhar para o plano político pedagógico e para o currículo

Um compromisso com uma educação antirracista exige a incorporação do trabalho com as relações étnico-raciais no plano político pedagógico da escola. E os educadores e educadoras concordam!

Em seu levantamento, a Nova Escola perguntou aos educadores qual principal ação uma instituição deve investir para o desenvolvimento da educação antirracista.

63% dos participantes selecionaram a opção “construir um PPP que inclua o compromisso por uma Educação Antirracista, com plano de ação definido”. Além disso, os professores apontaram que é essencial envolver as famílias e toda a comunidade escolar.

Trabalhar uma pedagogia antirracista apenas em momentos pontuais do ano não é o suficiente. É necessária uma mudança profunda e estrutural na lógica curricular.

Ao pensar sobre o plano político pedagógico, alguns indicadores podem ser utilizados na avaliação e consolidação de um plano de ação antirracista.

Em 2013, o grupo Ação Educativa elaborou um documento intitulado "Os indicadores de qualidade na educação: relações raciais na escola".

Distribuídos em 7 dimensões, esses indicadores englobam relações e atitudes praticadas na escola, materiais didáticos e a comunidade ao redor.

A dimensão de número 2, que fala sobre o currículo e projeto político pedagógico, aponta que

“uma proposta político-pedagógica comprometida com uma educação antirracista e não discriminatória foge da ideia de ser um instrumento burocrático, pronto e acabado. Longe disso, está sempre em movimento, envolvendo questionamentos, mudanças e novas propostas que nascem conforme a realidade da escola e da sociedade.”

O documento atesta que o desafio da reeducação das relações étnico-raciais é pensar currículo e proposta pedagógica em sentido amplo. Para isso, é importante considerar os pontos a seguir:

1. Conhecimento de leis e documentos oficiais sobre educação e relações raciais;

2. Organização da proposta pedagógica;

3. Garantia de espaço para planejamento coletivo;

4. Inserção e abordagem de conteúdos sobre história e cultura africana e afro-brasileira;

5. A sala de aula como lugar estratégico para uma educação antirracista;

Encorajamos que gestores e educadores analisem o material com diligência, ele pode ser um importante orientador das práticas pedagógicas em sua escola.


Gestor, esperamos que esse texto tenha apoiado as suas reflexões sobre a importância de uma educação antirracista.

Para finalizar, uma dica: você conhece o Programa de Educação Antirracista da Árvore? O PEA é uma comunidade de práticas que dá o apoio necessário para a sua escola despertar reflexões e gerar transformação social! Clique aqui para saber mais.

Baixe o Guia Definitivo da Gestão Escolar!

Tenha acesso a dicas, materiais e conteúdos práticos para tornar o dia a dia da gestão escolar mais simplificado. É gratuito!

Preencha o formulário ao lado e receba o material no seu e-mail.

Formulário enviado com sucesso!
Erro! Por favor, tente novamente.
news da Árvore

Inscreva-se na news da Árvore

Receba notícias de educação no seu e-mail!

Uma curadoria exclusiva que traz tudo o que os gestores escolares precisam acompanhar para se manterem atualizados.

Você pode gostar também

Gestão Escolar

Quais são os desafios da gestão do cotidiano escolar?

Neste post, você descobre todos os desafios e responsabilidades da gestão do cotidiano escolar, além de dicas para o trabalho.

Continuar
Gestão Escolar

Como orientar os pais sobre uso de telas na infância?

Você é da gestão escolar e precisa de ajuda para orientar os pais sobre o uso de telas na infância? Confira o post!

Continuar