Blog da Árvore
Educação
Defasagem escolar: confira entrevista com especialista

Defasagem escolar: confira entrevista com especialista

31 jan 2022
3 min
Post modificado em:

Os danos da pandemia na educação ainda estão sendo avaliados por especialistas. Apesar disso, já se sabe que o aumento da desigualdade entre escolas públicas e privadas se aprofundou. Assim, os desafios da aprendizagem tornaram-se ainda maiores, principalmente o da defasagem escolar.

Sobretudo, levando em consideração a desigualdade digital. De acordo com o  TIC Domicílios, 26 milhões de brasileiros das classes mais vulneráveis não possuem acesso a internet.

Neste post, vamos falar sobre o tema da defasagem escolar. Além disso, você confere uma entrevista exclusiva com a especialista sobre o tema, Claudia Costin.

O que é e quais as principais causas da defasagem escolar

A defasagem escolar ocorre quando os conhecimentos do estudante não correspondem à sua série escolar. Esse não é um problema recente no cenário da educação brasileira. Sobretudo, seus impactos podem ser observados principalmente sobre estudantes vulneráveis nas regiões norte e nordeste do país.

Afinal, estas duas regiões possuem, respectivamente, os maiores percentuais de alunos sem acesso à educação: 28,4% e 18,3% de acordo com um estudo feito pelo UNICEF.  

O fenômeno  também pode ser definido como a distorção idade-série. Ou seja, quando o estudante está a duas séries atrasadas em relação a sua idade. Tudo isso impacta diretamente nos índices de evasão escolar.

Principais causas da defasagem escolar

Obstáculos como a insegurança sobre os conteúdos, o mau desempenho nas avaliações, a dificuldade de acompanhar as aulas e os demais colegas nos trabalhos e exercícios, interferem diretamente na permanência dos estudantes na escola.

Isso acontece, principalmente, na etapa do ensino médio e anos finais do ensino fundamental. Além disso, essas séries já apresentam a maior taxa de evasão escolar.

Impacto da pandemia

Para além dos impactos no ensino fundamental e médio, as implicações da pandemia podem ser vistas, principalmente, sobre os estudantes da etapa de alfabetização.

De acordo com a UNICEF, 41% dos estudantes sem acesso à educação na pandemia tinham entre 6 a 10 anos de idade. Em casa, as crianças mais vulneráveis normalmente não contam com o  apoio de uma estrutura que garanta  uma alfabetização adequada.

Por fim, tudo isso impacta o aprendizado da língua na idade esperada. O que vai afetar também o seu desenvolvimento nas séries seguintes. Por isso, estes alunos acabam sendo na pandemia.

Confira entrevista exclusiva com especialista em defasagem escolar

Para debater esse tema, entrevistamos  a professora Cláudia Costin, especialista no campo. Na entrevista, ela traz um panorama da defasagem escolar no Brasil e durante a pandemia., para falar sobre a defasagem no cenário da educação brasileira.

- Cláudia Costin, como a pandemia reforçou e influenciou o quadro da defasagem escolar no Brasil, uma vez considerada a já tão profunda desigualdade social existente?

Em 2019, já tínhamos desafios educacionais grandes, depois de termos sido um dos últimos países da América Latina a universalizar o acesso ao ensino fundamental e aumento de conclusão do Ensino Médio.

Mas com a pandemia, de acordo com dados da FGV, as escolas privadas ficaram muito menos tempo fechadas que as públicas. E ainda no caso das escolas públicas, os estudantes não possuíam os pais em casa e recursos materiais.

Em 2018, no PISA, o Brasil foi considerado o país mais desigual na educação. Imagina agora depois da pandemia? Gostaria de ver um movimento da sociedade como um todo que se preocupasse com a garantia da educação para todos. Essas perdas da pandemia são um fator de grande preocupação para a preparação de jovens críticos e preparados para o futuro.

A situação poderia ser muito pior se não tivéssemos professores que encararam a situação, mesmo sem estarem preparados, para ajustar ações e fazer um esforço bem grande para dar continuidade ao ensino. Poderia ser pior: tivemos somente 18% dos municípios que não tiveram nenhum tipo de aprendizagem em casa.

- Pensando que ainda vivemos a pandemia e as escolas ainda estão se adaptando a esse contexto, quais as formas de lidar e evitar a defasagem?

Há muitas coisas que começaram a ser experimentadas ano passado e podem ser aproveitadas. Primeiro é construir em cima do aprendizado que os professores tiveram nesses últimos anos na forma de ensinar.

Mas, além disso, é preciso investir em metodologias ativas, para dar mais protagonismo para os alunos. Por exemplo, alguns vídeos e materiais já foram preparados. Por que não aproveitá-los para usar a sala de aula invertida?

Além disso, quatro horas de aula são insuficientes para o ensino, imagina em um contexto de recuperação de aprendizagem? A maior parte dos países bem avaliados no PISA possuem no mínimo 7 horas de aulas, práticas pedagógicas e outras vivências.

Muitas redes em todo país criaram colônias de férias para recuperação de aprendizagem e isso tem sido muito importante. Mesmo em um momento que estamos vivendo ainda de pandemia, as escolas têm sido lugares seguros. Principalmente por conta do avanço da vacinação e dos aprendizados de cuidados sanitários, sobretudo pensando em famílias mais vulneráveis.

Criar turmas específicas de realfabetização para alunos de 3º e 4º ano também têm sido uma solução para avançar na aprendizagem. Além disso, acelerar a aprendizagem de alunos do Fundamental II é essencial em alguns momentos para que eles cheguem com a idade correta e, com isso, evitar a evasão escolar.

- Como os pais e responsáveis podem contribuir com a escola?

A contribuição das famílias é fundamental, mas a comunicação escola-família precisa ser uma via de mão dupla. Muitas vezes as escolas adotam uma linguagem que as famílias não acompanham.

Assim, é preciso que haja um  canal de escuta dos dois lados. Então, é importante que não haja só reuniões para reclamações, mas momentos de escuta e acolhimento.

Por isso, é importante incentivar nos pais o interesse pelo que os alunos estão aprendendo e vivendo na escola. Assim, eles mostram que aprender é interessante e essencial para seu futuro.

Leia também: Relação família e escola na pandemia: confira o que dizem especialistas

- Que conselhos você daria para o gestor e gestora escolar  no enfrentamento dessa problemática?

Michael Fullen diz que o diretor de escolas é o principal responsável por criar uma cultura de colaboração na escola. O gestor escolar pode ser essa figura que trabalhe nos educadores o orgulho em relação às práticas e à profissão.

Assim, é possível criar espaços de interação coletiva, como um professor assistir a aula de outro. O professor aprende mais é com outro professor!



Esperamos que essa nossa conversa com a professora Cláudia Costin te ajude a nortear  o trabalho nessa temática tão importante e urgente.

Lembrando que é super importante levar em consideração que esse é um desafio da educação brasileira e você não está sozinho(a)! Por isso, dialogue com outros gestores e gestoras e conte com a Árvore para te apoiar. Até mais!

Time de especialistas pedagógicos da Árvore

Esse conteúdo foi produzido por:

Time de especialistas pedagógicos da Árvore

Versão gratuita Árvore Livros

Experimente a versão gratuita da Árvore Livros

Tenha todas as funcionalidades da Árvore Livros em uma versão gratuita com acervo selecionado.

10.000+ people recommend using Client-first

Você pode gostar também

Educação

As vantagens do uso da tecnologia na educação

Confira algumas vantagens da tecnologia que podem aprimorar e desenvolver a educação, o aprendizado e a leitura dos alunos.

Continuar
Educação

3 dicas práticas como usar tecnologia em sala de aula

Confira 3 dicar práticas para aplicar em sala de aula de como usar tecnologia na educação.

Continuar
Educação

8 aplicativos infantis educativos para aprender brincando

No artigo de hoje, você irá conferir como usar a tecnologia em sala de aula por meio de um aplicativo infantil educativo.

Continuar