Aprendizado Baseado em Projetos

No items found.

Você já imaginou o que o seu aluno ou o seu filho vai ser quando crescer? Um médico, um fotógrafo, um historiador, um engenheiro, um cientista… Existem várias possibilidades, mas sem dúvida o sonho de todo pai, mãe e educador é ver as novas gerações trabalhando em projetos inspiradores e realizados com a carreira, independente da profissão.

Mas como fazer com que os jovens enxerguem isso também? Como fazer com que o estudante esteja preparado para o futuro? E mais, como fazer com que ele fique inspirado desde já?

[caption id="" align="alignleft" width="394"]

O aluno é colocado frente a um problema real e tem que pensar em formas de resolvê-lo. Créditos: Shutterstock[/caption]

Um método educacional chamado Aprendizado Baseado em Projetos, também conhecido como PBL (sigla que vem do inglês “Project-Based Learning”), mostra como fazer isso. Ele propõe que a sala de aula abra espaço para tarefas complexas em grupo, com a intenção de fazer o estudante aprender a enfrentar problemas reais. Assim, em vez de ver que a poluição está aumentando e as suas causas, o aluno é colocado frente a um problema real e tem que pensar em formas de resolvê-lo. É uma forma do aluno enxergar como o conteúdo que ele aprende na escola é usado no mundo real.

Os educadores cedem um tempo das aulas para desenvolver os projetos.

Existem vários projetos possíveis, como um projeto de filme, ou um projeto voltado para engenharia, no qual os alunos ajudam a recuperar um parque. É uma forma de motivar os alunos e de criar oportunidades para que eles se sintam realizados com projetos deles.

Nesse modelo, os educadores cedem um tempo das aulas para desenvolver os projetos, e ao longo desse desenvolvimento, além de proporem os projetos, atuam como treinadores e facilitam a investigação e reflexão. Este método também é facilmente aplicável em situações em casa: definindo missões e projetos, os pais podem fomentar competências como curiosidade, pró-atividade e capacidade de fazer conexões entre diferentes conhecimentos.

E os resultados do método são animadores, pois o PBL torna os estudantes mais engajados, faz com que o aprendizado seja mais profundo, melhora a capacidade do jovem na resolução de problemas e desenvolve habilidades de colaboração.

Veja algumas dicas para fazer com que o PBL dê certo:

Conecte com o mundo real: alinhe a atividade proposta a temas reais, que são do interesse do estudante;

– Proponha o trabalho em um grupo estruturado: é interessante organizar grupos de três ou quatro alunos com habilidades diferentes, assim, os integrantes desenvolvem a responsabilidade individual e coletiva. Outro ponto importante é saber recompensar a equipe;

Faça uma avaliação multifacetada: dê várias oportunidades para o estudante receber o feedback pelo seu trabalho e apresentar os resultados da aprendizagem levando em conta critérios diversos, e não apenas um;

– Deixe os estudantes no comando: para que o comprometimento com a tarefa seja alto, os estudantes devem ter responsabilidades e autonomia para propor e buscar as mais diferentes soluções. O adulto deve atuar guiando-os no seu processo de aprendizado, sem dar respostas, incentivando-os a buscá-las;

– Incentive a participação da rede de aprendizado: proponha a reflexão do aluno acerca do método e formas de melhorá-lo em projetos futuros.

O PBL ainda não é muito disseminado no Brasil, mas já é conhecido nos EUA. Veja um vídeo do site norte americano Edutopia com os registros de uma escola que desenvolve o método:

No items found.

10.000+ people recommend using Client-first

Você pode gostar também

professora praticando metodologias ativas com alunos
Educação

Confira 3 exemplos práticos de metodologias ativas!

Neste post, você vai descobrir o que são metodologias ativas e encontrar exemplos práticos e funcionais para aplicar em sala de aula!

Continuar
criança testa brincadeiras para trabalhar emoção
Educação

Confira 4 brincadeiras para trabalhar emoção com crianças

Confira algumas ideias de brincadeiras para trabalhar emoção com crianças e jovens, em casa ou na escola.

Continuar